A peça

 Peça Disposição

 

Com passos firmes e apressados em direção ao porvir rompemos o tempo. Desafiamos modelos, despontámos novas eras. Um princípio sem fim, até ao limite da inovação. Um caminho que desbravamos juntos, cimentando no passado as pontes para o futuro.

No prefácio desta terceira década da nossa história adotamos a simbologia da renovação para agradecer o caminho trilhado em conjunto, celebrando conquistas e brindando às inúmeras oportunidades que se seguirão.

Através desta peça do escultor bracarense Alberto Vieira - inspirada em Janus, o deus romano de face dupla, que deu origem ao nome do mês de janeiro e que associamos às entradas e saídas; ao princípio e ao fim; divindade das transições, do passado e do futuro - lembramos o início da nossa relação de parceria e projetamos com elevada expetativa os tempos que se aproximam.

Uns, com os olhos postos no passado,
Vêem o que não vêem: outros, fitos
Os mesmos olhos no futuro, vêem
O que não pode ver-se.

Ricardo Reis, in "Odes"